Header Ads

Ponto Novo: falta de servidores compromete funcionamento de colégio estadual

Da Redação
Portal Ponto Novo
O Colégio Estadual João Durval Carneiro realizou na manhã desta quarta-feira (06) reunião com representantes do Colegiado para discutir o problema urgente da falta de servidores. O crise se agravou por conta da não renovação do contrato da empresa Contrate Gestão Empresarial com o Governo do Estado, o que provocou três demissões na Unidade Escolar de Ponto Novo. As funcionárias trabalhavam na limpeza e na cozinha.

Com apenas duas funcionárias para as mesmas atividades que eram realizadas por cinco em três turnos, a direção convocou reunião extraordinária para discutir com representantes de alunos, pais, professores e servidores, as atitudes a serem tomadas a partir de agora até uma solução definitiva por parte do Governo.

Para evitar suspender as aulas, pelo menos a princípio, haverá um intenso trabalho de conscientização dos alunos em relação a manutenção da limpeza da escola, bem como trabalhos voluntários desenvolvidos por eles e pelos professores. No entanto, já ficou acertado que essa última ação não deverá persistir por muitos dias, por isso, uma manifestação será realizada nos próximos dias, onde toda a comunidade escolar estará nas ruas da cidade mostrando a real situação do Colégio João Durval à comunidade.

Esse problema atingiu todo o Estado da Bahia, inclusive, escolas da rede na região da Chapada Diamantina e Piemonte do Paraguaçu, totalizando cerca de 15 instituições de ensino, que atendem uma média de 9 mil alunos. Elas paralisaram suas atividades nesta terça feira (05) por falta de funcionários, mais precisamente de servidores terceirizados da mesma empresa.

Para piorar a situação, muitos municípios realizaram um processo seletivo há quatro anos. Como a contratação se deu pelo Regime Especial de Direito Administrativo, o período dos contratos de muitos funcionários da área administrativa acabou ou está nos últimos dias.

No caso de Ponto Novo, a NRE já tem ciência da situação, mas não se tem previsão de uma solução por parte do Governo do Estado. Escolas da região também estão sofrendo os impactos dessa crise e deverão se manifestar nos próximos dias.
Postar um comentário