Header Ads

Pela segunda vez, câmara de vereadores de Filadélfia se recusa a apurar dívida do município com Instituto de Previdência

O município de Filadélfia nos últimos anos vive uma situação preocupante aos servidores e familiares, no que diz respeito a ausência de repasses da administração municipal ao Instituto de Previdência do Município.

ENTENDA:
A administração municipal de Filadélfia, sobre a responsabilidade do prefeito Barbosa Junior, está em débito com o Instituto de Previdência no Importe de R$ 2.652.732,29 (dois milhões seiscentos e cinquenta e dois mil setecentos e trinta e dois reais e vinte e nove centavos). Cabendo informar que deste montante a importância de R$ 2.288.938,07 (dois milhões duzentos e oitenta e oito mil novecentos e trinta e oito reais e sete centavos), foi causado somente pela atual administração, referente à parte patronal e segurado, no período de Junho de 2014 até os dias atuais, cabendo informar ainda que existe a quantia de R$ 363.794,23 (trezentos e sessenta e três mil e setecentos e noventa e quatro reais e vinte e três centavos) referente a parcelamentos atrasados, firmados pelas administrações anteriores e alguns pela atual administração, que também não estão sendo pago pelo prefeito Barbosa Junior.

DENÚNCIA:
Um servidor municipal e eleitor do município, considerando o débito supracitado, sentindo-se lesado em seus direitos, ofertou pela segunda vez, uma denuncia a câmara municipal de Filadélfia, em desfavor do prefeito Barbosa Junior e solicitando da câmara a abertura da uma CPP – Comissão Parlamentar Processante, para apurar e investigar o exorbitante débito informado pelo Instituto Previdenciário e as possíveis irregularidades, como a denúncia não foi aceita, na primeira vez, por falta de quórum, o mesmo servidor resolver ofertar a denuncia pela segunda vez.

SESSÃO E VOTAÇÃO:
O principal papel das câmaras de vereadores é fiscalizar os atos do executivo, no entanto em Filadélfia parece acontecer o inverso, no último dia 17 de Dezembro, quinta-feira, em sessão extraordinária, a mesa diretora da câmara, colocou em votação a supracitada denúncia, na ocasião os servidores, familiares e população de Filadélfia lotaram a plenária da câmara para acompanha a votação da criação da CPP - Comissão Parlamentar Processante, e pela segunda vez, a câmara rejeitou o pedido do servidor arquiando mais uma vez o pedido do mesmo, fugindo assim mais uma vez da principal função da casa legislativa.

VEJA COMO FOI A VOTAÇÃO:

VOTARAM A FAVOR DA CRIAÇÃO DA CPP - Lúcio Batista, Joel Máximo, João Batista, Pergentino M. Filho (Prejinho), Alípio Rosa, Sival Moreira e Edvaldo Manoel (Teval).

VOTARAM CONTRA A CRIAÇÃO DA CPP - Janoário do Cartório, Jailton Correia, Josemar Correia (Josa) e Jirlene Nascimento votaram pelo arquivamento.
Seriam necessários, portanto oitos votos para aprovação do pedido feito pelo denunciante.

A maioria do público presente na sessão saíram indignados e revoltados com o resultado da votação.

Dantasnoticia
Postar um comentário