Header Ads

Suspeito de acender rojão é preso na Bahia

Caio é escoltado em avião por agentes da Polícia Civil / Divulgação/Polícia Civil
Caio Silva de Souza, acusado de acender o rojão que matou o cinegrafista Santiago Andrade, foi preso em Feira de Santana, na Bahia. Ele estava em uma pousada e não reagiu.

O rapaz, de 22 anos, foi preso pelo delegado Mauricio Luciano, responsável pelas investigações. “Num primeiro momento, ele diz que não tem qualquer relação com o fato, mas ele estava em um estado de confusão mental”, disse o delegado. “Quando chegarmos ao Rio ele poderá esclarecer ou mesmo permanecer calado, a gente só vai interrogá-lo quando ele chegar ao Rio”.

Segundo ele, Caio seguiria para Ipu no Ceará, onde moram os avós paternos. Ele parou em Feira de Santana, onde se hospedou na pousada Gonçalves, próximo à rodoviária. O delegado diz que a namorada do militante estava com ele na hora da prisão.

Medo

Mauricio Luciano conta que Caio mostrava tensão quando foi pego pela polícia. “Ele falou que ficou dois dias sem dormir. Talvez com medo de sua integridade física, temendo morrer, ele dizia palavras desconexas. Porém, no trajeto à delegacia, ele afirmou que poderia ter disparado o rojão”. Para o delegado, porém, não há dúvidas sobre este ponto. “As provas técnicas nos levam a essa conclusão [de que ele é culpado]”.

A chegada do suspeito ao Rio está prevista para as 9h desta quarta-feira. Depois, ele vai para a Cidade da Polícia, onde será interrogado.

Funcionário de hospital

A Secretaria de Estado de Saúde informou na tarde desta terça-feira que Caio trabalha no Hospital Estadual Rocha Faria, em Campo Grande, no Rio de Janeiro.

De acordo com a Secretaria, ele é funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço ao hospital, ocupando a função de auxiliar de serviços gerais.

Envolvimento com drogas

Caio tem duas passagens na polícia por envolvimento com tráfico de drogas, segundo informações da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro.

As passagens são pelo 53ª DP, de Mesquita, e outra na 56ª, em Comendador Soares. No entanto, não foi registrada ocorrência em nenhuma das duas ocasiões. Os dois casos são de 2010. A Polícia informou que, em uma das situações, ele estava a poucos metros de uma moita onde foi encontrada certa quantidade de drogas. No ocorrido, não foi possível determinar se ele era usuário, traficante ou apenas estava no local.

O caso

O cinegrafista Santiago Andrade, de 49 anos, foi atingido na cabeça por um rojão durante um protesto contra o aumento da passagem de ônibus no Rio de Janeiro. O caso aconteceu na última quinta-feira e, na segunda-feira, ele teve morte cerebral constatada.

Na ocasião, os PMs tentaram impedir que black blocs pulassem as catracas, ainda no começo da noite. Devido às depredações, os acessos ao Palácio Duque de Caxias e ao Campo de Santana da estação do metrô na Central chegaram a ser fechados. O Batalhão de Choque foi acionado e usou bombas de efeito moral para controlar a situação.

Velório

O corpo do cinegrafista será cremado ao meio-dia desta quinta-feira. A cerimônia será fechada para familiares e amigos. O velório acontece das 7h às 11h no Cemitério do Caju.

Fonte: Band
Postar um comentário