Header Ads

PM e líderes se reúnem para discutir protesto contra aumento da tarifa em SP

Policial Militar agride clientes de um bar na avenida Paulista, em São Paulo, enquanto pediam que eles deixassem o local. A Secretaria de Estado da Segurança Pública vai investigar supostos abusos por parte dos policiais durante o protesto. Eduardo Anizelli/Folhapress
A SSP (Secretaria de Segurança Pública) e a Polícia Militar de São Paulo convocaram os líderes do Movimento Passe Livre (MPL) para planejar o protesto contra o aumento da tarifa do transporte público marcado para esta segunda-feira (17), em São Paulo. A reunião será às 10h, já que a manifestação está marcada para iniciar às 17h, no Largo da Batata, em Pinheiros.  
O valor das passagens de ônibus, trem e metrô subiu de R$ 3 para R$ 3,20 neste mês. Será a quinta manifestação realizada em dez dias. O protesto da última quinta-feira (13) foi o mais violento.
Segundo
o secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo Fernando Grella, a PM quer combinar com os idealizadores o trajeto a ser percorrido para "garantir que a manifestação seja pacífica". Ele acrescentou que acha que não será necessário o uso de bombas de gás lacrimogêneo e da tropa de choque. Grella também admitiu que ninguém será detido por portar vinagre.
Nina Cappello, estudante de direito da USP (Universidade de São Paulo) e uma das líderes do MPL, afirma que o movimento vai participar da reunião, mas que não pode assegurar o trajeto que será percorrido. "É importante uma conversa com a PM, principalmente, para evitar a repressão policial. Mas foi o que eu disse para eles: não consigo garantir a definição do trajeto, porque é uma questão política e não técnica. O MPL não decide sozinho, a gente faz uma série de articulações com organizações políticas." 
O governo diz que não quer repetir o que ocorreu na manifestação da última quinta-feira (13), que foi marcada pela violência da polícia. "A cidade não quer violência", disse Grella.
Na quinta, cerca de 40 pessoas foram presas antes mesmo de o protesto começar. Manifestantes e jornalistas que carregavam vinagre --como o repórter Piero Locatelli, da revista "Carta Capital"-- para reduzir os efeitos de bombas de gás lacrimogêneo foram detidos, sob a alegação da PM de que o produto pode ser usado para fabricar bombas caseiras.
Segundo o Movimento Passe Livre, pelo menos cem ficaram feridos. O balanço oficial da Polícia Militar sobre o protesto, divulgado na sexta-feira (14), revelou que 12 PMs ficaram feridos na ação.
Na manifestação de quinta-feira, a PM mobilizou grande aparato, com tanques blindados, helicópteros e até a cavalaria. Além da Tropa de Choque, policiais da Rota e da Força Tática atuaram na repressão, totalizando efetivo de 900 homens.
Segundo relato da repórter do UOL, Janaina Garcia, a polícia atirou indiscriminadamente contra manifestantes, transeuntes e jornalista a trabalho. "Não havia saída pela via nem pelas transversais, todas cercadas pelo Choque".
O governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que está "sempre aberto ao diálogo, mas não é possível permitir atos de vandalismo". Alckmin se negou a dizer que houve excessos da PM.
O prefeito Fernando Haddad (PT), disse que "não ficou bem" para a PM a repressão aplicada durante o protesto. Ele destacou que o reajuste de R$ 0,20 na tarifa de ônibus foi o menor reajuste dos últimos tempos, e se disse disposto a "explorar alternativas" para o aumento. 

Fonte: uol (*Colaborou Ingrid Tavares)
Postar um comentário