Header Ads

Barragem de Ponto Novo está com apenas 17,18% da capacidade

Da Redação
Portal Ponto Novo
As fotos mostram a situação da Barragem de Ponto Novo no dia 17/07/2011 (à esquerda) e  em 11/04/2012. Clique para ampliá-la.
A situação da Barragem de Ponto Novo é crítica. De acordo com o boletim semanal do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos - Inema, referente ao período de 16 a 22 de outubro, o reservatório está com apenas 17,18% da sua capacidade, explicados da seguinte maneira: volume máximo em hm³ (hectômetros cúbicos): 38,94, sendo que o volume atual está em 6,69 hm³. No dia 16 de abril de 2012, a Barragem comportava 55% da capacidade total, uma perda de 6,33% por mês.
Barragem de Ponto Novo. Outubro 2012. Por Débora Bastos
Baseando-se nessa média, e não havendo chuvas, o volume atual da Barragem ainda abasteceria a região por aproximadamente 3 meses. É importante salientar que nos últimos meses o tempo mais frio diminuiu bastante o consumo de água, enquanto que agora, com o calor, a tendência é que o consumo aumente. Contrastando com a situação crítica de Ponto Novo, a Barragem de Pindobaçu está com 93,95 da sua capacidade total.

A preocupação dos irrigantes e da população em geral é com a demora das chuvas, que até o momento ainda não caíram no município, nem há previsão de quando isso irá acontecer.

A estiagem prolongada mantém o município em estado de emergência desde maio, e pode piorar nos próximos dias, caso não chova.
Situação da Barragem no início de outubro de 2012. Foto: Débora Bastos
A Embasa ainda não adotou em Ponto Novo o sistema de racionamento de água, porém a situação requer cuidados extremos por parte da população, que deverá evitar desperdício de água e utilizá-la da forma mais responsável possível.

As últimas chuvas fortes caíram na região no início de 2011, e se até fevereiro de 2012 não chover o bastante para aumentar o nível de água, a situação pode passar de emergencia para calamidade pública.

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR O BOLETIM SEMANAL DE MONITORAMENTO DAS BARRAGENS DO INEMA.
Postar um comentário