Header Ads

ITIÚBA-BA: Denúncia foi criminalmente alterada", diz prefeita

Faltando pouco mais de uma semana para começar 2012, ano eleitoral, quando serão eleitos os novos vereadores e prefeitos e vices, a cidade de Itiúba vive um clima de tensão nos meios políticos diante das denúncias de improbidade administrativa, o que poderá levar à cassação da prefeita Cecília Petrina de Carvalho (PT).

Tudo começou no dia 22 de novembro quando a Câmara de Vereadores que aprovou com sete votos favoráveis, um contra e uma abstenção a criação da Comissão Processante – CP para investigar possíveis irregularidades na administração do município.

Um mês depois, correligionários da prefeita, militantes do PT, representantes das associações, sindicatos, igrejas, movimentos sociais, partidos PC do B, PSL, PRB, PT do B, PRTB e PSD, Zezéu Ribeiro, secretário de Planejamento da Bahia, Paulo Rangel, deputado estadual, Jonas Paulo, presidente do PT, e integrantes das áreas de assentamento do município participaram no final da tarde de terça-feira (20) de um ato em frente à sede da Prefeitura e após muitos pronunciamentos de apoio a Petrina, inclusive de prefeitos e vereadores da região, a multidão o acompanhou até a Câmara de Vereadores para presenciar a entrega do documento em que a prefeita apresenta sua defesa.

Na defesa, a prefeita aponta irregularidades no procedimento de cassação e diz que são infundadas e politiqueiras as denúncias apresentadas. Em um tópico da defasa, Cecília afirma que a denúncia foi alterada criminalmente na Câmara depois de recebida, e requereu apuração pelo Ministério Público e Policia Civil.

O presidente da Comissão Processante, Vereador Valmir de Jesus Peixinho (PV) falou ao CN que ainda não havia lido a defesa em seus detalhes e, por conta disso, não iria fazer comentários a respeito. “Na verdade ainda não tive tempo de ler a defesa. Mas a Comissão vai analisar o documento para que possamos concluir o processo com imparcialidade”, disse Valmir. Também integram a comissão os vereadores Ranulfo Gonçalves, relator e Derivaldo de Oliveira, como membro.

A Comissão Processante foi instalada no dia 23 de novembro e apura a responsabilidade da prefeita em denúncias de emissão irregular de um cheque do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) e irregularidades na contratação de servidores.

Ao CN a prefeita disse que seu mandado foi uma vontade popular que foi oficializada em 2004 e repetida em 2008. “Meu mandato foi dado pelo povo. Tenho a aprovação de mais de 75% da população no meu Governo. Confio nos vereadores e sei que eles analisarão com imparcialidade a denúncia e a defesa. Agora é aguardar e pedir força a Deus para continuar forte na minha missão de fazer o bem a uma população que tanto amo”, finalizou Cecília.
Fonte e foto: Calila Notícia
Postar um comentário